o poucas e boas

A primeira edição do Poucas e Boas – Arte, Design e Gastronomia no Lago Norte, aconteceu em dezembro de 2000, fruto da união de cinco artistas, com a proposta de mostrar seus trabalhos em conjunto, alternando a sede de cada evento para proporcionar a oportunidade de receber os visitantes em seus ateliês. A primeira formação do Poucas e Boas contou com Cecy Sato, Fatima Bueno, Monica Menkes, Patrícia Zimbres e Vera Bosi. Desde então, o evento cultural é realizado no Lago Norte em duas edições anuais, para divulgar e comercializar os novos trabalhos dos artistas do núcleo permanente e de convidados.

O Poucas e Boas aposta na qualidade dos expositores, reunindo cerca de dez participantes a cada edição, revelando talentos e consolidando artistas, artesãos e designers da cidade e de outros estados. Há espaço para cooperativas de artesanato e entidades de cunho solidário. Atualmente o Poucas e Boas conta com quatro participantes fixos, que coordenam a seleção de participantes e a organização de cada evento: Monica Menkes, Fátima Bueno, Juliana Sato do ateliê Cecy Cerâmica e Paulo Lobo. O Poucas e Boas também é conhecido pela gastronomia especial. A cada evento comparece um restaurante, bistrô, quiosque de café e complementos da boa mesa, conhecidos em Brasília pelas suas qualidades.

Fátima Bueno participou de coletivas e salões de artes plásticas antes de migrar para o design. Integrou mostras de design no Brasil, em Milão (Itália), Saint Etiènne (França), Kolding (Dinamarca), entre outras cidades fora do país. Premiada no XII Prêmio Museu da Casa Brasileira e na mostra Brasil Faz Design 1998 (Top Ten), produziu objetos, móveis, esculturas e joias. Fez parte do coletivo Brasília Faz Bem, com Lígia de Medeiros e Carla de Assis. Em 2010 publicou o livro Estou na quadra e é autora do troféu da Bienal Brasília do Livro e da Leitura, criada em 2012.

Juliana Sato expõe delicadas esculturas móveis – composições de objetos confeccionados com materiais diversos partindo da estrutura de fio de cobre. São peças únicas formando uma unidade harmônica e sutil que remetem às lembranças, vivências ou sonhos de cada um.

Monica Menkes, arquiteta e artista plastica, é reconhecida pelas suas pinturas com simbolos, cores, traços e desenhos coloridos que voam pelas telas, papéis e painéis. Mais recentemente. suas obras trazem palavras que evocam sentimentos de bem estar à sua já conhecida linguagem, agregando mais um ingrediente aos seus delicados trabalhos. A combinação das palavras, cores e desenhos trazem serenidade, leveza e harmonia.

www.monicamenkes.com.br

Paulo Lobo cria e produz joias autorais e de montagem, sob o conceito de joias casuais, sem perder o foco na preocupação em aprimorar cada peça criada sob a ótica da qualidade, da beleza, do conforto, da harmonia e do equilíbrio entre os elementos que as compõem – gemas naturais, pérolas cultivadas, ouro e prata-germânio. Na cerâmica, traduz a experiência obtida com a mestra Cecy Sato na técnica da arte do fogo, produzindo esculturas, peças utilitárias e decorativas com o conceito da harmonia entre a forma e a cor e a forte influência da temática ambiental.

www.paulolobodesign.com